MUSB15 – Composição VI

Professor: Marcos Sampaio (sampaio.marcos@ufba.br)

Plano de curso da disciplina Composição VI, do curso de Composição e Regência da UFBA.

Esta página é um espelho da página oficial do curso, no AVA/Moodle UFBA.

1. Ementa

Continuação de Composição Musical V: Estudo e prática de Técnicas Composicionais – manipulação e exploração de elementos musicais do século XX, politonalismo, pós-tonalismo, atonalismo, serialismo, aleatorismo e audição comentada de obras representativas do século XX, com ênfase em obras de pequenas dimensões.

2. Objetivos

Ao final do curso espera-se que o estudante seja capaz de:

  • Explorar sonoridades estruturadas a partir de contornos em suas composições
  • Explorar as particularidades da voz para a composição musical
  • Explorar as particularidades do texto para a composição musical
  • Explorar particularidades do órgão de tubos na composiçõa musical
  • Compor para coro profissional acompanhado de órgão de tubos

3. Conteúdo programático

  1. Revisão de organização de alturas
    1. Politonalidade
    2. Pós-tonalismo
    3. Serialismo
  2. Teoria de Relações de Contornos musicais aplicada à Composição
    1. Abstração e invariância de contornos
    2. Representação de contornos (linear e combinatorial)
    3. Identidade de contornos (equivalência e subconjuntos)
    4. Redução de contornos (por janela e ao contorno primo)
    5. Similaridade de contornos (Schmuckler e Sampaio)
    6. Acentos melódicos (por contorno, fenomenológico, imanente)
  3. Aspectos técnicos vocais
    1. Princípios de emissão
    2. Registros e passagens
    3. Extensão e tessitura
    4. Respiração e afinação
    5. O impacto do texto no canto
    6. Coro e solo
  4. Órgão de tubos
    1. Construção, emissão
    2. Teclados
    3. Registros
    4. Especificidades da escrita
  5. Composição vocal
    1. Texto e Prosódia
    2. Fala, recitativo e “ária”
    3. Capella e acompanhado
    4. A voz como instrumento (Nathalia Martins)
    5. A voz como canal (Nathalia Martins)

4. Metodologia

Aula expositiva dialogal entre estudantes, professor e convidados (atividade síncrona e gravada) e discussão sobre os tópicos abordados em fórum (atividade assíncrona).

5. Ambientes virtuais utilizados

  • Moodle (AVA) UFBA
  • Google Meet Institucional

Toda a comunicação e entrega de trabalhos será realizada via Moodle (pelos fóruns, e chat do sistema), via email UFBA. Não haverá comunicação direta por email.

A concentração dessas atividades nessas ferramentas simplifica o acesso ao histórico de tarefas, mantém todas as questões sobre a disciplina no mesmo lugar, e permite auditoria, quando necessário.

6. Avaliação

A avaliação será realizada mediante os seguintes trabalhos:

  1. Composição de 7 exercícios básicos, para treinamento dos conteúdos estudados.
  2. Composição de uma obra de duração de 4 a 5 minutos para madrigal e órgão de tubos, com uso sistemático de contornos.

Os trabalhos serão aceitos apenas se forem entregues:

  1. via ambiente virtual de aprendizagem (AVA/Moodle)
  2. no prazo definido na interface do ambiente virtual de aprendizagem (AVA/Moodle)

IMPORTANTE: Nenhum trabalho poderá ser entregue por email ou outra via que não o Moodle.

6.1. Nota

A nota do semestre será equivalente a uma média ponderada do resultado obtido nos trabalhos, de acordo com os seguintes pesos:

  1. Exercícios 1 a 7 (peso 3)
  2. Acompanhamento da composição final 1 a 7 (peso 3)
  3. Composição final (peso 4)

6.2. Critérios de avaliação

Os critérios gerais de avaliação são:

  • Cumprimento do objetivo da tarefa
  • Equilíbrio
  • Capacidade de explorar recursos de composição
  • Capacidade de explorar os domínios da música (timbre, altura, duração, textura, texto, etc.)
  • Cuidados com a apresentação da partitura
  • Criatividade

As notas serão definidas de acordo com o seguinte critério:

Nota Entregue Solicitações cumpridas Aspecto de interesse especial Aspecto de algum interesse
100% X X X -
90% X X - X
80% X X - -
50% X - X -
40% X - - X
10% X - - -
0% - - - -

7. Assiduidade e pontualidade

Na modalidade remota, a frequência será verificada a partir da entrega dos trabalhos.

8. Cronograma

O conteúdo e dias das aulas do cronograma abaixo poderão ser modificados de acordo com a necessidade e eventualidade.

As aulas sem conteúdo de voz e contornos, a partir do dia 20/10 serão dedicadas ao acompanhamento do trabalho final.

OBS: em construção

Aula Dia Tópico voz Tópico contornos
1 11/08 Abstract do semestre Abstração e representação
2 18/08 Voz, coro. F. Albano e R. Garbuio -
3 25/08 - Identidade e reflexão
4 01/09 Livre. A. Daltro -
5 08/09 - Redução
6 15/09 Texto e fala. H. Jennings e A. Pochat -
7 22/09 - Similaridade
8 29/09 Composição vocal. N. Martins -
9 06/10 - Acento melódico
10 13/10 Composição vocal. Convidado a definir  
11 20/10    
12 27/10 Canto gregoriano e órgão. F. Queiroz  
13 03/11    
14 10/11    
15 17/11    
16 24/11    
17 01/12 Resultado  
18 08/12    

9. Trabalhos

Todos os trabalhos deverão ser entregues via AVA/Moodle. Para cada trabalho, subir para o repositório os devidos arquivos PDF e MP3. Evitar arquivos .wav. Estão previamente bloqueados no Moodle.

9.1. Exercícios básicos

Pequenos exercícios solicitados pelo professor. Duração curta e formações relacionadas com o trabalho final. Os detalhes serão definidos ao longo do semestre.

9.2. Composição final

O trabalho final de composição deverá ser elaborado ao longo de 8 semanas, com apresentação semanal de partitura e relatório do progresso no trabalho.

  • Formação: Madrigal UFBA e órgão de tubos (Mosteiro de São Bento)
  • Duração: 4 a 5 minutos
  • Conteúdos obrigatórios:
    • Uso de técnicas de contornos para construção de algum trecho da obra
    • Uso de técnicas de altura para construção de algum texto da obra
    • Uso de técnicas relacionadas a coro/voz apreciadas durante o semestre

10. Análise

Ao longo do semestre uma seleção dentre as obras listadas será analisada em conjunto durante as aulas:

OBS: em construção

  1. Kyrie gregoriano
  2. Palestrina. Missa Papae Marcelli. Kyrie
  3. Carlo Gesualdo. Sesto libro di madrigali: XVII. Moro, lasso, al mio duolo
  4. J.S. Bach. Choral 001 - Aus meines Herzens Grunde, BWV 269
  5. J.S. Bach. Paixão São Matheus - O Haupt voll Blut und Wunden
  6. G.F. Haendel. Aleluia
  7. W.A. Mozart. Requiem. Lacrimosa
  8. L.v. Beethoven. 9a Sinfonia
  9. G. Verdi. Va, pensiero
  10. C. Orff. Carmina Burana
  11. G. Ligeti. Nacht und Morgen for Choir (1965)
  12. G. Ligeti. Nonsense Madrigals 1/6
  13. F. Poulenc. Quatre motets pour le temps de Noël
  14. M. Ravel. Trois Chansons (1914-15)
  15. K. Penderecki. Stabat Mater (1962)
  16. R. Strauss. Deutche Mottete, op. 62
  17. F. Dantas. Chula no terreiro
  18. A. Ginastera. Lamentações de Jeremias, op. 44.
  19. L. Berio. Cries of London
  20. H. Villa-Lobos. Choros 10
  21. H. Villa-Lobos. Bachianas 9

11. Bibliografia

  1. Adler, Samuel. 1989. The Study of Orchestration. 2nd ed. New York, NY: W.W. Norton and Company.
  2. Antokoletz, Elliott. 2016. “In Defense of Theory and Analysis: ACritical Evaluation of the Discipline and Its Application to Bartók’s Musical Language.” Musica Theorica 1: 1–25.
  3. Brindle, Reginald Smith. 1966. Serial Composition. London: Oxford University Press.
  4. Cook, Nicholas. 1987. “A Guide to Musical Analysis.” New York and London: W. W. Norton & Company.
  5. Cope, David. 1997. Techniques of the Contemporary Composer. New York, NY: Schirmer Books.
  6. Dallin, Leon. 1974. Techniques of Twentieth Century Composition: A Guide to the Materials of Modern Music. 3rd ed. Dubuque, Iowa: WM. C. Brown Company.
  7. Espinheira, Alexandre Mascarenhas. 2011. “A Teoria Pós-Tonal aplicada à Composição: um guia de sugestões compositivas.” Universidade Federal da Bahia.
  8. Forsyth, Cecil. 1920. Choral Orchestration. New York: The H. W. Gray Co.
  9. Jeppeson, Knud. 1939. Counterpoint: The Polyphonic Vocal Style of the Sixteenth Century. Englewood Cliffs, N.J: Prentice-Hall.
  10. Kostka, Stefan M. 2006. Materials and Techniques of Twentieth-Century Music. 3rd ed. Prentice Hall.
  11. Persichetti, Vincent. 1985. Armonía Del Siglo XX. Madrid: Real Musical.
  12. Sampaio, Marcos da Silva. 2012. “A Teoria de Relações de Contornos Musicais: Inconsistências, Soluções e Ferramentas.” Universidade Federal da Bahia. https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/10555.
  13. Sampaio, Marcos da Silva. 2017. “A Teoria de Relações de Contornos No Brasil.” In Teoria e Análise Musical Em Perspectiva Didática, 123–38. Salvador, BA: EDUFBA.
  14. Sampaio, Marcos da Silva, e Alex Pochat. 2016. “Aplicação de Contornos Na Composição Musical.” In Perspectivas de Interpretação, Teoria e Composição Musical, editado por Heinz Karl Novaes Schwebel e José Maurício Valle Brandão, 13–28. Salvador, BA: EDUFBA.
  15. Schoenberg, Arnold. 1996. Fundamentos Da Composição Musical. 3rd ed. São Paulo: EDUSP.
  16. Stone, Kurt. 1980. Music Notation in the Twentieth Century: A Practical Guidebook. New York, NY: W.W. Norton and Company.
  17. Straus, Joseph Nathan. 1990. Introduction to Post-Tonal Theory. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall.
  18. Reisberg, Horace. 1975. “The Vertical Dimension in Twentieth-Century Music.” In Aspects of 20th Century Music, edited by Gary L. Wittlich, 322–87. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.
  19. Wuorinen, Charles. 1979. Simple Composition. New York and London: Longman.

Obs: Textos de Marcos Sampaio estão disponíveis em https://marcos.sampaio.me/publication/

11.1. Complementar

  1. How, Deborah H. 2009. “Arnold Schoenberg’s Prelude from the Suite for Piano, Op. 25: From Composition with Twelve-Tones to the Twelve-Tone Method.” University of Southern California.
  2. Rodrigues, Nelson. 1967. O vício doce e vil. Correio da Manhã, Caderno 2. 14/4/1967 link.

Última atualização em 03/08/2021, 17:06.